Home » » Crime em rodoviária foi motivado por fim de relacionamento, diz delegado.

Crime em rodoviária foi motivado por fim de relacionamento, diz delegado.

Criminoso
A morte de um idoso de 64 anos no Terminal Rodoviário de João Pessoa foi motivada pelo fim de um relacionamento amoroso, conforme explicou o delegado João Paulo Amazonas após ouvir o suspeito do crime, Ericson Rafael Menezes, de 29 anos. A polícia já descartou a possibilidade de latrocínio, ou seja, de roubo seguido de morte.

O delegado explicou que Ericson tinha iniciado um relacionamento amoroso com o idoso há alguns meses. “Quando ele chegava em João Pessoa, se comunicava com ele e eles se encontravam. A vítima o ajudava financeiramente, com roupas. Mas há um mês, quando a vítima esteve aqui da última vez, acabou a relação”, explicou.

A investigação indica que Ericson ficou revoltado com o fim do relacionamento. “Ele já vinha de uma família desestabilizada, é viciado em crack. Ele alegou que a vítima era a única pessoa que dava atenção a ele. Então ele ficou com muita raiva”, comentou.

A discussão dos dois na rodoviária, há um mês, foi testemunhada por algumas pessoas. Há cerca de uma semana, Ericson passou a frequentar o terminal quase que diariamente à procura do idoso. “Ele ia principalmente após a ingestão de drogas, com o intuito de fazer mal”, afirmou João Paulo Amazonas.

O crime aconteceu na segunda-feira (20) e a vítima morreu no mesmo dia, no final da tarde, no Hospital de Emergência e Trauma de João Pessoa. As imagens do circuito interno da rodoviária foram divulgadas nesta terça-feira (21). No vídeo, é possível ver o suspeito caminhando pelo terminal e, em outro momento, o idoso correndo, buscando por ajuda, já ferido. As imagens também mostram o momento em que as pessoas se aglomeram em volta da vítima.

O idoso, que era aposentado da Aeronáutica, morava no Distrito Federal e sempre visitava João Pessoa, segundo informações do delegado João Paulo Amazonas. Dessa vez, ele estava na capital paraibana para participar de um encontro sobre ufologia.

Ericson Rafael Menezes Marinho, de 29 anos, foi preso na terça-feira (21) na casa dele, em Bayeux. Ele foi autuado por homicídio doloso qualificado, agravado pelo motivo torpe. A prisão foi feita pela Polícia Militar e o delegado João Paulo Amazonas apresentou o suspeito à imprensa ainda na tarde da terça-feira. Inicialmente, na delegacia, o preso havia dito que não conhecia a vítima e que chorou quando soube da morte por “tristeza de garoto”. “Isso acontece no ambiente titular de todos os dias”, disse ao ser questionado sobre a motivação do crime. Ele ainda afirmou que estava sob efeito de maconha no momento da entrevista.

Ericson deveria estar cumprindo pena em regime semi-aberto por latrocínio, mas, após uma saída da prisão, ele não voltou. Depois disso, foi considerado foragido pela Justiça.
 
Arma usada no crime
Relembre o caso
O idoso foi ferido por volta das 12h30 da segunda-feira, dentro da rodoviária, no Varadouro. O paciente foi conduzido para o Hospital de Trauma de João Pessoa por uma ambulância do Resgate do Corpo de Bombeiros, passou por procedimentos médicos de emergência, mas não resistiu à gravidade dos ferimentos.

De acordo com o Centro Integrado de Operações Policiais (Ciop), a vítima foi esfaqueada no abdômen e, segundo relatos de testemunhas, um dos antebraços também foi ferido.

Segundo testemunhas, o homem estava esperando um conhecido chegar de viagem quando foi abordado pelo agressor. Um estudante de Educação Física realizou os primeiros socorros enquanto o Corpo de Bombeiros não chegava ao local. Segundo o estudante, a vítima sofreu duas paradas cardíacas e foi levado pela ambulância ainda desmaiado.

Depois do crime, o agressor conseguiu fugir em direção à Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), mesmo após ser perseguido pela polícia. Segundo o sargento Pereira, da Polícia Militar, ele foi preso dentro de uma casa no bairro do São Bento, em Bayeux. Ele estava vestindo as roupas que foram usadas no momento do crime.



G1
Compartilhe: :

1 comentários:

Paulo Lacerda disse...

Ao reunir a imprensa para declarar o resultado de uma investigação feita às pressas, o delegado João Paulo Amazonas pode ter se livrado da pressão que havia por uma resposta sobre a segurança dos turistas que visitam a Paraíba. Porém, ao macular a imagem de um senhor de 64 anos, ele expõe uma face mais preocupante da polícia paraibana, o descaso. Descaso que tem início na segurança ostensiva da rodoviária, onde se pode andar livremente com um facão sem ser incomodado. Descaso ao deixar solto um criminoso reincidente que pode matar quando quer. Descaso, ao macular a imagem de um senhor, pai de família, com 64 anos, ao afirmar que havia relacionamento entre esse pai e um a assassino procurado. Ao tentar se proteger atrás de todo esse DESCASO, a polícia paraibana expõe a própria INCOMPETÊNCIA.

Postar um comentário