Home » » Romário renuncia à vaga na comissão especial do impeachment.

Romário renuncia à vaga na comissão especial do impeachment.


O senador Romário (PSB-RJ) renunciou nesta quarta-feira (1º) à vaga que ocupava na comissão especial do impeachment do Senado. A solicitação de renúncia foi lida em plenário pelo presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL). No pedido, Romário não apresentou os motivos da renúncia.

Para o lugar de Romário, o bloco Socialismo e Democracia indicou a senadora Lúcia Vânia (PSB-GO), que votou pela abertura do processo de impeachment de Dilma Rousseff pelo Senado. O parlamentar, que havia dado voto favorável à abertura do processo no Senado, é um dos que anunciaram que deverá rever o voto e se posicionar contra o processo na próxima votação.

Em uma rede social, Romário disse que vai continuar acompanhando os trabalhos da comissão, mas como não-membro do colegiado. Ele destacou, ainda, ainda que é presidente da Comissão de Educação e da CPI do Futebol, além de atuar em “importantes causas sociais que não podem ser deixadas de lado”.
A comissão especial do impeachment está na fase de “pronúncia”, na qual os senadores devem decidir se a denúncia contra a petista é procedente ou não e se vai à julgamento final pelo Senado.

Insatisfação com governo Temer
Na postagem no Facebook, Romário demonstra insatisfação com os primeiros dia do governo do presidente em exercício Michel Temer, que assumiu a função da qual Dilma foi afastada. O parlamentar diz que os primeiros atos de Temer “não foram como deveriam ser” e lembra que o peemedebista escolheu investigados pela Justiça para ocupar chefias de ministérios.

“Os primeiros dias do governo interino não foram como deveriam ser. No lugar de ministros ‘notáveis’, conforme Temer prometeu, tivemos ministros investigados. Vimos ministérios estratégicos para o país serem fundidos e perderem relevância, como o fundamental Ministério da Ciência e Tecnologia e Inovação. Assim como a extinção do Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos. [...] Houve ainda a extinção Controladoria-Geral da União que, de certa medida, prejudica o combate à corrupção”, opina Romário.

Romário diz ainda que o governo Temer “não tem o direito de cometer os mesmos erros da presidente Dilma”. O senador finaliza afirmando que a decisão dele de deixar a comissão do impeachment não significa “mudança de voto” pelo fato de o voto pela “abertura do impeachment” ser diferente do voto pelo afastamento definitivo de Dilma Rousseff.
“Não há que se falar em mudança de voto porque são dois votos distintos. No primeiro, votei pela continuidade da investigação. O segundo e definitivo voto será para julgar o crime de responsabilidade, que eu farei, como sempre, guiado pela minha consciência e buscando o melhor para o Brasil”, conclui Romário.




G1
Compartilhe: :

0 comentários:

Postar um comentário