Home » » Trabalhadores de Nova Floresta, Jaçanã e Coronel Ezequiel estão em Minas Gerais em condições sub-humanas.

Trabalhadores de Nova Floresta, Jaçanã e Coronel Ezequiel estão em Minas Gerais em condições sub-humanas.


Um grupo de homens das cidades de Nova Floresta/PB, Jaçanã/RN e Coronel Ezequiel/RN saíram das suas cidades para trabalhar em uma fazenda na cidade de Patrocínio, em Minas Gerais, onde as despesas ficariam por conta do contratante. Chegando lá, a cerca de oito dias atrás, as promessas feitas não se cumpriram.

Em contato com a 89FM na manhã desse domingo (05), um dos homens que foi para Minas contou que o grupo (cerca de 51 homens) passaram 03 dias na rua e, após esse período, um outro agenciador, de uma outra fazenda, alugou uma casa para que os trabalhadores pagassem.

A casa é pequena para a quantidade de pessoas que se encontram na casa. Além disso, a alimentação (que também será paga pelos trabalhadores) é de baixa qualidade. No local, não há nenhum tipo de conforto e está tomada por colchões e malas. As panelas ficam no chão.

O grupo ainda não trabalhou e teme que as despesas fiquem altas demais, já que terão que pagar o aluguel e a alimentação, que deve ficar cerca de R$ 1.400,00/mês para cada trabalhador.

No apelo, os homens pedem que o agenciador que os encaminhou para Minas Gerais providencie uma forma dos trabalhadores voltarem às suas cidades de origem. O agenciador fez o contato com os homens na cidade de Nova Floresta.

Além disso, as Carteiras de Trabalho dos homens estão com outro agenciador que prometeu encaminhar os homens em outra fazenda, mas por enquanto, o que se sabe é que o destino desses homens segue incerto “lá pras bandas de Minas Gerais”.



da 89FM
Compartilhe: :

1 comentários:

cicera da silva Santos disse...

Que situação desumana...e pensar que ainda existentes tipo de pessoas que escraviza trabalhadores..alguém tem que ir ate as autoridades pra fazer essa denúncia e levar esses homens para suas cidades de origem. O pessoal dessa página de informação pode fazer essa denuncia.

Postar um comentário