Home » » Presos cavam túnel e fogem de penitenciária em Caicó, RN.

Presos cavam túnel e fogem de penitenciária em Caicó, RN.


Presos fugiram na madrugada desta segunda-feira (22) da Penitenciária Estadual Desembargador Francisco Pereira da Nóbrega, o ‘Pereirão’, que fica na cidade de Caicó, região Seridó potiguar. A informação foi confirmada pelo secretário estadual de Justiça e Cidadania, Wallber Virgolino. Ainda não se sabe quantos detentos conseguiram escapar. Esta é a segunda fuga da história do ‘Pereirão’.

Os presos escaparam por um túnel aberto a partir do pavilhão C, entre as guaritas 4 e 5. A Polícia Militar foi acionada pelo diretor da penitenciária, Ubirajara Araújo, para fazer a contagem.

A primeira fuga do 'Pereirão' aconteceu no dia 14 de julho deste ano, quando presos escaparam por um túnel aberto a partir do pavilhão B, entre as guaritas 6 e 7. Chama a tenção o fato de o presídio ser construído sobre um terreno rochoso, que naturalmente deveria dificultar escavações. Contudo, em maio deste ano, um túnel de aproximadamente 30 metros já havia sido descoberto durante uma revista realizada na penitenciária. Segundo o secretário Wallber Virgolino, titular da Secretaria de Justiça e da Cidadania, a escavação foi tapada, mas não concretada como deveria.

Sem contar a fuga desta segunda, 293 presos já escaparam do sistema penitenciário potiguar somente em 2016. Em 2015, fugiram 212. Alguns foram recapturados, mas nem a Secretaria de Justiça (Sejuc) nem a Secretaria de Segurança Pública (Sesed) conseguem precisar quantos foram encontrados e levados de volta aos presídios.

Sistema em calamidade
O sistema penitenciário potiguar não passa por um bom momento. E faz tempo. Em março de 2015, após uma série de rebeliões em várias unidades prisionais, o governo decretou estado de calamidade pública e pediu ajuda à Força Nacional. Para a recuperação de 14 presídios, todos depredados durante os motins, foram gastos mais de R$ 7 milhões. Tudo em vão. As melhorias feitas foram novamente destruídas. Atualmente, em várias unidades, as celas não possuem grades e os presos circulam livremente dentro dos pavilhões.


G1/RN
Compartilhe: :

0 comentários:

Postar um comentário