Home » » MPPB faz levantamento de bens da Prefeitura de Rio Tinto para coibir dilapidação do patrimônio público.

MPPB faz levantamento de bens da Prefeitura de Rio Tinto para coibir dilapidação do patrimônio público.


Para evitar e inibir o sumiço de bens públicos da Prefeitura de Rio Tinto, o Ministério Público da Paraíba (MPPB) iniciou na manhã desta sexta-feira (18) um levantamento fotográfico em vários equipamentos da administração municipal. Para fazer o registro das imagens desses bens públicos, o promotor de Justiça José Raldeck de Oliveira, da Promotoria de Justiça de Rio Tinto, obteve da Justiça o deferimento de um pedido de medida cautelar para ter acesso às repartições públicas municipais.

“As diligências na administração municipal tem como objetivo barrar e evitar a subtração do patrimônio público”, explica o promotor José Raldeck, que já prepara uma ação civil pública contra a prefeita Severina Ferreira Alves (PMDB). “O levantamento fotográfico é uma medida de precaução, antecedendo a ação civil pública. Por isso a necessidade das diligências nos prédios públicos municipais amparadas em mandados judiciais expedidos pela Justiça”. Para a realização das diligências, o MPPB também solicitou o apoio de auditores do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba (TCE-PB).

De acordo com o promotor de Justiça, geralmente no final de seus mandatos eletivos, os prefeitos que não conseguem a reeleição – como é o caso da atual prefeita de Rio Tinto –, ou que não reelegem seu sucessor, passam a negligenciar o bem público, e pessoas ligadas à administração começam a dilapidar o patrimônio público.

Conforme levantamentos já feitos, após o resultado das eleições de outubro, dois ônibus escolares e uma motoniveladora entregues pelo governo federal à Prefeitura de Rio Tinto foram encontrados desmontados e com as peças retiradas. Também há o caso de um PSF na zona rural do município em que uma geladeira nova foi trocada por uma geladeira velha. Conforme os autos do processo judicial, até computadores e material de informática estariam desaparecendo das dependências da prefeitura.

A responsabilidade pela dilapidação do patrimônio público, segundo o promotor de Justiça, é do prefeito ou da prefeita, que incorre em improbidade administrativa pelo malbaratamento e perda patrimonial do município. O gestor municipal também pode ser enquadrado no crime de peculato.



ascom 
Compartilhe: :

0 comentários:

Postar um comentário