Política

Inquérito da PF sobre Temer conclui que houve corrupção.


Relatório preliminar da Polícia Federal referente à investigação sobre o presidente Michel Temer e seu ex-assessor Rodrigo Rocha Loures concluiu que houve a prática de corrupção passiva, segundo a reportagem apurou.

As informações foram entregues ao Supremo Tribunal Federal nesta segunda-feira (19) e ainda não foram divulgadas pelo tribunal.

Não está claro ainda qual o papel que a polícia atribui a cada um dos investigados.

Segundo a reportagem apurou, o documento é "conclusivo" sobre o crime cometido.

A PF pediu mais cinco dias ao ministro Edson Fachin para finalizar as investigações e apresentar o laudo da perícia das gravações de conversas feitas por Joesley Batista, dono da JBS. A polícia aguarda esse resultado para concluir se houve também a prática de obstrução de Justiça.

Procurada pela reportagem, a PF não se manifestou sobre o assunto. As assessorias de Temer e Loures não comentaram o relatório até as 21h desta segunda (19).

Ao todo, os peritos analisam quatro áudios, um deles de um diálogo do empresário com Temer, no Palácio do Jaburu, em 7 de março.

No pedido de abertura de inquérito, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou, com base na gravação, que o presidente deu anuência para a compra de silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha e seu operador Lúcio Funaro, ambos presos.

A gravação, porém, não havia passado por perícia da PF, que agora identificou trechos que antes estavam inaudíveis, segundo a reportagem apurou.

Após a conclusão do inquérito, caberá ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, decidir se denuncia ou não Temer e Loures ao STF. A expectativa é que ambos sejam alvo de denúncia da PGR até a semana que vem.

Na avaliação das investigações, a corrupção passiva está ligada à mala de propina de R$ 500 mil entregue a Loures pela JBS. Para concluir que houve a prática de corrupção passiva no episódio, a PF se baseou em dois laudos periciais sobre conversas entre o ex-assessor e Ricardo Saud, lobista da J&F.

O prazo dado por Fachin para o inquérito ser finalizado se encerrou neste domingo (18) -sendo esta segunda o primeiro dia útil, quando a conclusão deveria ser entregue.

O ministro é o relator da Lava Jato no Supremo, responsável também por casos ligados à delação da JBS.

EX-DEPUTADO REAGE

Em nota nesta segunda, Cunha confrontou Joesley e afirmou que se reuniu com o dono da JBS e com o ex-presidente Lula, em março de 2016, para discutir o impeachment de Dilma Rousseff.

O ex-deputado acusou Joesley de mentir sobre sua relação com Lula em entrevista à revista "Época".

"Ele [Joesley] fala que só encontrou o ex-presidente Lula por duas vezes, em 2006 e 2013. Mentira! Ele apenas se esqueceu que promoveu um encontro que durou horas, no dia 26 de março de 2016, Sábado de Aleluia, na sua residência [...] entre eu, ele e Lula, a pedido de Lula, a fim de discutir o processo de impeachment", escreveu Cunha.

Segundo o ex-deputado, o encontro pode ser comprovado pelos seguranças da presidência da Câmara, além de registros do carro alugado por ele em São Paulo.

A assessoria de Joesley afirmou que o dono da JBS apenas "destacou dois encontros", mas esteve com o petista em outras ocasiões. O texto confirma que Joesley intermediou encontros de dirigentes do PT com Cunha. O Instituto Lula informou que não vai comentar o relato.



Folhapress

Sobre ClickPicuí

Radialista profissional, blogueiro e editor chefe do ClickPicuí.

0 comentários:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.