Últimas Notícias

ATENÇÃO: Operação prende advogado e servidor de fórum suspeitos de fraudar R$ 1,5 milhão em alvarás judiciais na PB.



Um servidor do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB) e um advogado foram presos pela Polícia Civil, na manhã desta quarta-feira (9), no Sertão da Paraíba. As prisões aconteceram durante a operação "Al-Barã", que investiga a fraude de alvarás judiciais e cumpriu sete mandados de busca e apreensão e dois mandados de prisão nas cidades de Patos e Sousa. A polícia acredita que houve desvios de mais de R$ 1,5 milhão.

O objetivo é investigar ações criminosas de um servidor do fórum de Sousa junto com outros advogados da região. Segundo a Polícia Civil de Pombal, os envolvidos estavam falsificando assinaturas de juízes, alvarás com valores de R$ 70 mil a R$ 100 mil, criando números de processos ou utilizando números de processos já arquivados pela Justiça. A maioria desses alvarás eram voltados à área da saúde, em que o Governo do Estado custeava processos médicos solicitados pela população.

A ação contou com cerca de 40 policiais civis e sete delegados. Nesta primeira fase da operação, além dos dois já presos pela Polícia Civil, estão sendo investigados mais três advogados de Sousa.

As informações do delegado Ilamilton Simplício são de que a operação continua na manhã desta quarta-feira (7), com uma busca no fórum da comarca de Sousa, segundo ordem judicial. O delegado afirma ainda que a operação Al-Barã está sendo acompanhada pela presidência do Tribunal de Justiça da Paraíba, pela corregedoria do tribunal e pelo Ministério Público da Paraíba, além do apoio da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), seccional de Sousa.

O advogado, que foi preso em Patos, e o servidor público, preso em Sousa, foram conduzidos para o Batalhão da Polícia Militar de Patos e permanecem presos aguardando audiência de custódia. A Polícia Civil informou ainda que a operação terá uma nova fase, por haver mais documentos pendentes para análise e investigação.

A Polícia Civil de Sousa diz que os nomes dos suspeitos não serão divulgados e que, às 11h desta quarta-feira (9), deve haver uma entrevista coletiva na sede do Grupo Tático Especial de Sousa (GTE) da Polícia Civil.


G1

Nenhum comentário