Home » » SAMU - O socorro quebrado e preso na garagem.

SAMU - O socorro quebrado e preso na garagem.


Na Paraíba, um dos principais problemas enfrentados pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) é a falta de manutenção dos veículos. A estimativa da Secretaria de Estado da Saúde (SES), conforme a Coordenação Estadual do Samu é de que 40% dos municípios (89) têm alguma ambulância parada porque quebrou e não foi consertada. Com base no percentual e na informação de que o Estado tem 160 unidades de atendimento móvel, a Paraíba conta hoje com 96 ambulâncias do Samu para atender aos 223 municípios.

A coordenadora Rafaella Marinho destacou que esses problemas são informados ao Ministério da Saúde, que, por sua vez, estima um prazo para que os municípios regularizem a situação do serviço. No entanto, através da assessoria de comunicação, o órgão alegou que a responsabilidade sobre a manutenção e operacionalização das ambulâncias é de responsabilidade apenas dos municípios e o Ministério não tem gerência sobre o serviço.

A reportagem solicitou dados sobre o número exato de ambulâncias quebradas e questionou se a quantidade existente hoje é suficiente para atender a demanda, mas as informações não foram repassadas nem por ela, nem pela assessoria de imprensa da SES. Sobre ampliação, a SES informou que está aguardando sinalização do Ministério da Saúde.

Em relação a equipamentos para atendimento médico nas unidades precários ou que não funcionam, o repasse de custeio, de acordo com a coordenadora, fica com os municípios e, cada um, tem um plano de ação, programação anual para construir um plano de trabalho para qualificação do serviço, como a implantação de Educação Continuada, manutenção de equipamentos, fardamentos para os profissionais.

Rafaella destacou que o Samu 192 é um serviço territorializado e móvel. Ela informou que as unidades móveis podem ser ambulâncias, motolâncias, ambulanchas ou aeromédicos, conforme a disponibilidade e necessidade de cada situação, sempre no intuito de garantir a maior abrangência possível. Porém, não disse como as viaturas estão distribuídas e disponíveis.



Correio da Paraíba
Compartilhe: :

0 comentários:

Postar um comentário