Últimas Notícias

Hospital Regional de Picuí recebe mais uma vez destaque na comunidade científica internacional.

Hospital Regional Felipe Tiago Gomes - Picuí PB
A Revista Científica International Journal of Surgery publicou esta semana em sua edição de outubro do corrente ano, o caso clínico intitulado “Facial Dog Bite Injuries In Children: A Case Report” (Lesões Faciais por Mordida de Cachorro em Criança: Relato de Caso) tratado no Hospital Regional Felipe Tiago Gomes de Picuí-PB, pela equipe do cirurgião buco-maxilo-facial dr. Edgley Porto que relata a seguir:

“Muito feliz em ver que este Serviço de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial criado no Hospital Regional de Picuí desde 2007 têm sido profícuo para toda a população de Picuí e região. Com este já são 10 artigos publicados em revista científica de relevância na área, sendo 8 em revistas de caráter internacional e 02 nacionais, assim como também a publicação de um capítulo de livro também com as demandas do nosso atendimento. Ainda outros trabalhos também desenvolvidos no Hospital Regional de Picuí já foram inclusive aceitos e nos próximos meses teremos mais publicações. Só tenho a agradecer a Deus e expressar aqui minha gratidão a todos que fazem parte do Hospital Regional Felipe Tiago Gomes de Picuí-PB, desde o pessoal de apoio, maqueiros, técnicos, enfermeiros e médicos, indistintamente, sem é claro deixar de ressaltar o apoio da direção desta unidade que têm dado total apoio ao nosso serviço”.

Para ver o artigo na íntegra acesse: (artigo original em inglês)

Confira os detalhes abaixo:

APRESENTAÇÃO DO CASO CLÍNICO

1. Introdução

As lesões são uma das principais causas de morbidade em todo o mundo, especialmente na infância, em que destacam-se os ataques de animais, uma vez que não só transmitem doenças, mas também apresentam altos custos de tratamento [1]. As feridas de mordida são frequentemente localizadas no rosto; As lesões infligidas por cães são mais comuns [2], especialmente em crianças [3] e a maioria dos cães são familiares a suas vítimas [4]

A região do corpo mais afetada varia de acordo com a faixa etária da vítima, de modo que, enquanto as vítimas adultas são mais afetadas no corpo, as crianças são mais afetadas na região da cabeça [[3], [5], [6]]. Outros autores apontam que as regiões mais afetadas pelas mordidas de cães são as mãos, seguidas pelas extremidades inferiores, extremidades superiores, face e nádegas [7].

Um exame clínico completo é essencial, associado a um exame detalhado da lesão sob anestesia geral, conforme apropriado [8]. O tratamento das lesões causadas por mordida de cães é feito por limpeza, desbridamento e fechamento primário da lesão, imunização anti-raiva e tétano e profilaxia antibiótica [[9], [10]]. Neste contexto, o objetivo deste trabalho foi descrever um caso interessante em que uma criança de onze anos apresentou múltiplas lacerações no rosto, todas ocasionadas por um ataque de mordida de cachorro. O caso apresentado foi relatado de acordo com os critérios SCARE [11].

2. Relato do Caso

Um paciente do sexo masculino negro de 11 anos foi internado no Serviço de Cirurgia e Traumatologia Maxilofacial do Hospital Regional Felipe Tiago Gomes, Picuí-PB, em caráter de urgência, vítima de agressão animal doméstica (mordida de cães). A criança teve lesões múltiplas e extensas no rosto, trauma com laceração com perda de substância, envolvendo a região geniana esquerda, lábio inferior e superior e sulco menor gengival labial (Fig. 1). Foi obtido um consentimento informado assinado dos pais antes do tratamento.

Figura 1
A extensão das lesões de tecidos moles sofridas pelo ataque de mordida de cachorro.

O procedimento cirúrgico foi realizado sob anestesia geral com intubação traqueal e infiltração local de 2% de citocina com adrenalina, limpeza da área cirúrgica e irrigação com solução salina a 0,9%, estabilização das bordas da ferida e cauterização da área cirúrgica com bisturi elétrico. Em seguida, a reconstrução do rosto foi realizada através de sutura de feridas em camadas com fio vicrylR 4-0 e, em seguida, a sutura de pele com fio de nylon 5-0 em pontos separados, seguido de curativo (Fig. 2). As visitas de controle fechado foram programadas.
Figura 2
Fechamento primário das feridas na região da bochecha e na região labial inferior.

No pós-operatório imediato, o paciente estava calmo e capaz de se alimentar. Ele foi medicado com imunização anti-raiva, antibiótico e analgésico. No segundo dia pós-operatório, o paciente recebeu alta hospitalar e sua mãe foi orientada sobre o uso da medicação e cuidados em higiene e anti-sepsia das feridas. No exame final, 30 dias após o evento, a criança não apresentou episódios adicionais de sangramento incomum ou quaisquer outras complicações orais / sistêmicas (Fig. 3 e Fig. 4).
Figuras 3 e 4
Trinta dias de acompanhamento nas vistas laterais esquerda e frontal.

3. Discussão

As mordidas por animais, especialmente cães, são consideradas um problema de saúde pública. Esse trauma pode causar implicações infecciosas, funcionais e estéticas e pode até levar à morte, especialmente quando as vítimas são afetadas na região da cabeça e pescoço [2].

É difícil explicar por que tantas crianças são feridas por cães. Esta faixa etária é aquela em que a consciência do perigo é muito baixa ou ausente. Os locais de lesões sugerem, até certo ponto, que as crianças podem ficar muito próximas dos cães e se colocam em posições muito vulneráveis [12]

As lesões que podem ser causadas pela mordida de cães variam de lesões restritas a tecidos superficiais [10], com ou sem perda de substância, às fraturas ósseas faciais e cranianas [[3], [6], [9], [13]. ]. Em alguns casos, essas lesões podem levar a amputações, incluindo severa destruição vascular e nervosa ou óssea [10].

Alguns autores mostraram que um humano se dobrando sobre um cachorro, colocando o rosto perto do rosto do cachorro, precedeu uma mordida de cachorro no rosto e mais de três quartos de todas as mordidas no rosto. Conforme descrito por Reisner et al. [14], conhecer o cão e estar dentro de casa está intimamente relacionado a ser mordido no rosto. No entanto, apesar de estarem em casa e ter familiaridade com o animal desempenham papéis importantes no risco potencial de mordida facial, esses fatores não são essenciais para a ocorrência desse tipo de acidente.

De acordo com a literatura [5], cerca de 90% dessas lesões afetam o corpo da vítima adulta e apenas 10% afetam a cabeça e o pescoço; no entanto, quando se trata de vítimas pediátricas, essa relação é revertida, de modo que até 76% dos casos envolvem a região facial, afetando principalmente bochechas, lábios e nariz. As lesões nos tecidos moles são divididas em três categorias: lacerações, punções e avulsões (perda de tecido) [10].

Com relação aos pacientes pediátricos, a região craniofacial é a mais afetada [[3], [8], [15], [16], [17]], e a região frontal e as bochechas são as áreas mais afetadas, seguidas de lábios e nariz [6]. As crianças mais pequenas são especialmente vulneráveis a lesões na região craniofacial devido à baixa estatura, propensão a rastejar / brincar no chão e ao comportamento exploratório [3]. À medida que as crianças crescem, eles se tornaram mais capazes de se proteger e participaram de atividades diferentes e as mordidas ocorrem mais perifericamente para as extremidades superiores e inferiores [3]. No momento da assistência clínica, os pacientes e os pais / tutores devem ser devidamente informados de que todas as feridas podem deixar cicatrizes, podem estar infectadas e podem ter corpos estranhos indetectáveis no momento da avaliação inicial [18].

A administração de antibióticos é frequentemente associada ao tratamento local de lesões causadas por mordidas de cães e essa escolha é baseada na probabilidade de possíveis infecções causadas por microorganismos presentes na cavidade oral desses animais [6]. Os antibióticos de escolha após picadas no rosto e no couro cabeludo são amoxicilina com ácido clavulânico ou cefalexina (cefalosporina de 1ª geração). Em pequenas feridas infectadas, a amoxicilina oral com clavulanato assegura uma cobertura excelente para picadas infectadas por cães, gatos ou seres humanos. Em casos de alergia à penicilina, a clindamicina pode ser utilizada [8]. Além disso, a administração da vacinação contra a raiva continua a ser o padrão-ouro de tratamento para feridas de mordida de animais.

É importante ressaltar que alguns fatores, como o número de lesões produzidas e sua localização, influenciam o comportamento terapêutico a ser adotado. O tratamento primário das mordidas foi por meio de sutura direta, enxertos ou abas locais, dependendo do tipo de ferida e da decisão do cirurgião, independentemente do tempo decorrido do ataque [8]. No pós-operatório, a atenção ao aconselhamento para pacientes, pensos, pomadas, limpeza e revisão de cicatrizes garantem um ótimo resultado para o tecido traumático [10].

Os acidentes são de importância substancial na saúde pública, dada a sua magnitude e impacto na vida das pessoas [19]. As estratégias para a prevenção de mordidas de cães incluem uma estreita supervisão das interações criança-cachorro, educação pública sobre a propriedade responsável de cães e prevenção de mordidas de cães, leis de controle de animais mais fortes, melhores recursos para a aplicação dessas leis e melhor notificação de casos de mordida [[3], [ 10]].

4. Conclusão

As mordidas de cães são lesões bastante comuns que de preferência afetam as crianças e a face é a região mais afetada. Trauma pode deixar sequas estéticas e psicológicas para as vítimas, pelo que o tratamento deve envolver uma equipe multidisciplinar para minimizar os danos causados. A intervenção cirúrgica imediata proporciona um melhor resultado estético e a profilaxia antibiótica reduz ou previne o risco de infecção.


Dr. Edgley Porto

Cirurgião e Traumatologista Buco-Maxilo-Facial. Membro do Colégio Brasileiro de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial. Atua nas áreas: Cirurgia e Trauma Buco-Maxilo-Facial - Dor Orofacial e Disfunção. Temporo-Mandibular e Cirurgia da ATM - Cirurgia Ortognática. Implantes Dentais - Patologia Bucal - Laserterapia.
Rua Antonio Verissimo de Souza, S/N - Centro - Montadas-PB.

Fones: (83) 8807-8508/ 9802-4938   

Nenhum comentário