Últimas Notícias

Especialista em climatologia prevê que chuvas em 2018 na Paraíba ficarão acima da média e em 2019 abaixo dela.



“As previsões climáticas para 2018 apontam que este será um ano de chuvas acima da média para a Paraíba e que 2019 deve ficar uns 20% abaixo da média”. Essa afirmação foi feita hoje (07), pelo professor e doutor em Climatolopgia e Meteorologia, Luiz Carlos Baldicero Molion, durante uma palestra realizada na sede da Associação dos Plantadores de Cana da Paraíba (Asplan). O especialista veio a convite do Departamento Técnico da Associação canavieira fazer um diagnóstico e falar sobre tendências do clima mundial.

De acordo com a previsões do professor Molion, que segundo ele são baseadas em similaridades de fenômenos climáticos, a Paraíba deverá ter um acumulado de chuvas entre os meses de abril, maio e junho deste ano em torno de 900 milimetros. Entre julho e setembro esse acumulado deve atingir cerca de 700 milimetros e de outubro a dezembro volta a normalidade registrando algo em torno de 120 milimetros. “Este ano teremos chuvas acima da média na Paraíba até o final do ano, mas 2019 vai ser mais seco, algo em torno de 20% abaixo desta média”, disse Molion.

Outra previsão do professor indica que se ocorrer o fenômeno El Niño, ele não se repetirá com a intensidade dos anos de 2014/2015. “O que aconteceu em 2014 foi que o El Niño chegou forte e perdurou em 2015 e 2016, mas, de acordo com minhas projeções  se ele se formar agora será mais fraco e não vai provocar a intensidade de seca como em 2014/2015”, afirmou Molion, ressaltando que quando se trata de clima ‘não existe nada sacramentado’. “Há que se considerar que trabalhamos com hipótese físicas e que a natureza não se comporta de maneira linear, estando sujeita a vulnerabilidades”. disse ele, explicando que, por exemplo, se houver uma erupção vulcânica isso afeta diretamente e rapidamente no clima.

O modelo de estudo climático utilizado pelo professor parte de um método comparativo de similaridade que cruza dados anteriores com os da atualidade e também leva em consideração a temperatura da superfície do mar, além da influência do sol e da lua. “Como a superfície do planeta, em sua maior parte, é coberta por oceanos, suas oscilações de temperatura tornam-se determinantes para as variações do clima, lembrando que o Pacífico é o grande comandante do clima global”, explicou Molion. 

Em relação a influência da Lua no clima, o professor explicou que a força gravitacional da lua acelera as correntes marinhas e estas, por sua vez, transportam mais calor da região tropical e toda vez que a lua esteve dentro da região tropical, ocorreu um El Niño forte. “Eu proponho que a lua seja a responsável por esses El Niños fortes que causam quatro a cinco anos de seca forte e baseado nisso eu publiquei um artigo defendendo essa minha tese”, afirmou o especialista, fazendo um alerta aos produtores: “Preparem-se que o próximo período semelhante a esse de 2012/2016 deve ocorrer por volta de 2033/2034 se essa minha teoria da lua controlando as conrrentes marinhas tiver sentido”, atestou Molion.


Para ele, não é coincidência esse fenômeno de influência da lua. “O fato de você ter uma força física chamada força gravitacional da lua que nós sabemos que mexe com as marés e com as correntes marinhas, me levou a concluir que enquanto a lua está no máximo, ela acelera as correntes marinhas e exportam mais calor para fora das regiões tropicais que ficam  mais frias e secas e a gente passa por um período de chuvas abaixo do normal e por isso eu digo que vocês não terão grandes problemas  no próximo ano e de 2020 ate 2032 eu não vejo grandes problemas neste horizonte climatológico”, afirmou o especialista.

Para os próximos dez anos, Molion disse que os totais anuais de chuvas na Paraíba devem ficar um pouco acima da média. Molion também abordou em sua palestra a questão do aquecimento global, mas, para o especialista isso é mito e a ideia do efeito estufa que se tem hoje precisa mudar. “O Dióxído de Carbono (CO2) não controla o clima, não é vilão, mas sim o gás da vida, responsável pela fertilização das plantas, é o CO2 que dá maior produtividade, portanto, precisamos mudar esse discurso inútil. Eu afirmo que o clima varia por causas naturais e que eventos extremos sempre ocorrerão, com clima frio ou quente e cabe a nós nos adaptarmos a eles”, disse Molion criticando os modelos tradicionais de previsão climática.

Para Molion, o Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC) e o Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas (PBMC) não fazem previsões e sim projeções climáticas utilizando modelos de clima global que não representam, na opinião do especialista,  adequadamente os processos físicos que controlam o clima e, portanto, não reproduzem o clima atual. “Eles utilizam  cenários de concentração de CO2 ficticios, gerados pela mente humana, por isso, as projeções dos Modelos de Clima Global são fictícios, meros exercícios acadêmicos que não se prestam para planejamento das ações humanas”, disse o especialista.

Para o presidente da Asplan, José Inácio de Morais, a palestra de Molion foi uma verdadeira aula de climatologia e, especialmente, uma palestra de altissímo nível. “O professor Molion é um especialista, fala com propriedade sobre essa temática e nos brindou com informações interessantes, de forma que só temos a agradecer pelos novos conhecimentos e torcer para que todas as projeções se tornem realidade já que elas nos deixaram aliviados com a perspectiva de chuvas acima da média este ano”, afirmou José Inácio, agradecendo a parceria da Yara e da Crop Agrícola no evento desta quarta-feira (07), que foi encerrado com um almoço. O diretor do Departamento Técnico da Asplan, Neto Siqueira reforçou os agradecimentos e reiterou o compromisso da Asplan em, mensalmente, promover eventos para melhor orientar os produtores associados.


Assessoria

Nenhum comentário