Últimas Notícias

ATENÇÃO: Prefeito de Camaragibe é preso suspeito de lavagem de dinheiro, corrupção e fraude em licitação.



Demóstenes Meira (PTB), que também é investigado por organização criminosa, foi afastado do cargo nesta quinta (20). Em fevereiro, ele exigiu presença de servidores em show da noiva.

O prefeito de Camaragibe, Demóstenes Meira (PTB), foi preso, nesta quinta-feira (20), em uma operação do Departamento de Repressão ao Crime Organizado (Draco). O gestor da cidade do Grande Recife é investigado pelos crimes de fraude em licitação, corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Ele foi afastado do cargo.

A Operação Harpalo começou em dezembro de 2018 e investiga o superfaturamento em contratos da prefeitura de Camaragibe. Segundo a delegada Jéssica Ramos, que comanda as investigações, o rombo pode chegar a R$ 117 mil em um contrato de R$ 1,2 milhão para a manutenção de escolas municipais, em que houve dispensa de licitação.

A prisão preventiva do prefeito e o afastamento cautelar dele, ocorridos nesta quinta (20), foram determinados pelo Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE). Demóstenes Meira foi preso no bairro da Madalena, na Zona Oeste do Recife.

Outros quatro mandados de prisão preventiva foram cumpridos pela 2ª fase da operação. Segundo a delegada, foram presos dois casais sócios de duas construtoras que estariam envolvidos nas fraudes.

Confira os nomes dos cinco presos:

Demóstenes Meira - prefeito de Camaragibe
Severino Ramos da Silva - empresário
Luciana Maria da Silva - esposa de Severino
Carlos Augusto - empresário
Joelma Soares - esposa de Carlos

Os três homens presos foram encaminhados ao Centro de Observação e Triagem Everardo Luna (Cotel), em Abreu e Lima, na região Metropolitana. As duas mulheres presas foram levadas para a Colônia Penal Feminina Bom Pastor, no Recife.

“O principal palco dos crimes era a prefeitura de Camaragibe. Meira era o líder da organização. Em nova análise das provas, houve a necessidade das prisões para interromper as ações”, afirma a delegada Pollyane Farias.

Ao todo, participam da operação 40 policiais civis, entre delegados, agentes e escrivães. O G1 busca contato com a defesa dos cinco presos na operação. A reportagem entrou em contato com a prefeitura de Camaragibe e aguarda resposta.

Além dos crimes investigados pela Polícia Civil, a gestão de Meira também teve outras polêmicas. Em fevereiro deste ano, o prefeito exigiu a presença de servidores comissionados no show da noiva dele, a cantora Taty Dantas, que também é secretária municipal de Assistência Social (Leia mais abaixo).

Início das investigações
Na primeira fase da operação, deflagrada em março, a delegada Jéssica Ramos afirmou que, a mando de Meira, um vereador e uma servidora pública sofreram ameaças por "saberem demais". A prisão do gestor foi solicitada nesse período, mas, segundo a Polícia Civil, foi negada pela Justiça.

Na época, a delegada Silvana Lélis, gestora do Draco, informou que o pedido foi negado porque o judiciário entendeu que não havia mais danos ao erário público por serem contratos de 2017.

Nesta quinta-feira (20), a delegada Pollyane Farias afirmou que a primeira fase proporcionou a apreensão de elementos importantes para a continuidade das investigações. Mesmo assim, os suspeitos teriam continuado a praticar fraudes e lavagem de dinheiro, segundo a polícia.

Em fevereiro deste ano, Meira exigiu a presença de servidores comissionados no show da noiva dele, a cantora Taty Dantas. Na mensagem, o prefeito afirma que “quer ver todos os comissionados para dar força ao evento”. Meira também disse que iria "filmar e contar" a quantidade de funcionários presentes.

A repercussão do ato levou o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) a investigar o caso. A ação civil foi ingressada pela 2ª Promotoria de Justiça Cível de Camaragibe, que apura possíveis atos de improbidade administrativa.

Em maio, Meira foi chamado para depor na Polícia Civil. Segundo a corporação, o gestor deveria ter prestado depoimento antes, mas a defesa alegou que ele estava com problemas de saúde.

Situação de emergência
Além de ter o prefeito preso e afastado, Camaragibe está em situação de emergência após as chuvas que causaram mortes e outros transtornos na cidade. No dia 13 de junho, uma barreira deslizou sobre três casas na Segunda Travessa Bom Jesus, no Bairro dos Estados, resultando na morte de sete pessoas, sendo cinco da mesma família.


Por G1 PE

Nenhum comentário