Últimas Notícias

Grupo explode caixa eletrônico e banco fica destruído em Areia PB.

Banco foi atacado pela segunda vez, seu interior ficou completamente destruído com a explosão 
Uma agência bancária de um banco público foi explodida na madrugada desta quinta-feira (9) na cidade de Areia, na região do Agreste paraibano. Segundo informações repassadas pela Polícia Civil, o alvo dos assaltantes era um dos caixas eletrônicos do banco, mas com a explosão, toda a agência ficou destruída. De acordo com moradores da cidade, o crime ocorreu por volta das 3h (horário local).

O ataque registrado nesta quinta foi pelo menos o terceiro em menos de oito meses. Em junho de 2016, a mesma agência havia sido explodida e desde então o funcionamento ficou prejudicado. À época, os assaltantes explodiram o cofre e nenhum outro foi instalado e, pela falta de um cofre na agência, os caixas eletrônicos eram munidos com pequenas quantias em dinheiro. Ainda de acordo com a polícia, os caixas tinham sido abastecidos na quarta-feira (8).

Moradores da cidade de Areia informaram à polícia que ouviram três explosões e vários tiros. Em entrevista à TV Paraíba, a auxiliar de serviços gerais, Maria dos Prazeres dos Santos, relatou que após a explosão não conseguiu dormir. “É um prejuízo muito grande. O comércio fica sem vender, se tem alguma coisa para pagar é preciso se deslocar até uma cidade vizinha”, lamentou.

O enfermeiro Genildo Fernandes explicou que o serviço, que já estava prejudicado desde a explosão de junho de 2016, deve ficar pior após o ataque registrado nesta quinta-feira. “A situação já estava precária. A cidade estava passando por um desgaste muito grande, enfrentando muito dificuldade, e agora a tendência é inviabilizar o atendimento”, comentou.

Ainda de acordo com a polícia, não há informações sobre o número de assaltantes envolvidos no ataque ao banco, nem se os assaltantes conseguiram levar algum dinheiro. Uma equipe de perícia do Instituto de Polícia Científica (IPC) deve se deslocar até a agência para realizar exames e procurar vestígios que ajudem na investigação.



G1

Nenhum comentário